Financiamento

Reajuste não afetará desempenho do mercado

De acordo com as principais entidades do setor imobiliário em Pernambuco, os juros mais altos não implicarão em redução do valor do imóvel

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 29/01/2015 12:38 / atualizado em 29/01/2015 12:43
O aumento na taxa de juros para financimento imobiliário na Caixa Econômica Federal, implementado no dia 19 de janeiro, não deve afetar o desempenho do mercado imobiliário de Pernambuco. A avaliação é das principais entidades do setor no estado, que reconhecem a necessidade do reajuste e confiam no ritmo de desenvolvimento econômico do estado.

Encargo maior será para imóveis acima de R$ 700 mil - Teresa Maia/DP/D.A.Press Encargo maior será para imóveis acima de R$ 700 mil
Para André Callou, presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi-PE), a medida, que não afeta os financiamentos através do FGTS ou do programa Minha Casa, Minha Vida, é um cálculo que garante a competitividade do banco e que já era esperado. Ele garante que o desempenho do mercado não sofrerá interferência dessas medidas. “O preço do imóvel não vai aumentar. O que muda é o impacto no bolso do cliente em virtude do relacionamento com o banco. Cabe às empresas realizarem atividades para atrair os clientes”, explica. Ele considera como natural esse movimento da Caixa, que estava com as taxas represadas nos últimos anos. Sobre o cenário pernambucano, Callou defende que não haverá grandes alterações e que os novos polos de desenvolvimento vão ajudar a aquecer o mercado.

Para o presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis de Pernambuco (Creci-PE), Petrus Mendonça, a tendência com esse movimento das taxas é a queda do valor dos imóveis. “De acordo com os estudos de mercado, se os juros aumentam, a tendência é que o preço caia”, explicou. No entanto, José Antonio, presidente em exercício do Sindicato da Construção Civil de Pernambuco (Sinduscon - PE), garante que o reajuste da taxa de juros é uma medida residual que afeta apenas um segmento dos clientes. “O encargo maior será para quem compra imóveis acima R$ 700 mil, em que o valor da taxa é maior. Mas, no geral, o impacto do aumento é residual e não afeta a dinâmica do mercado”, explicou.

O aumento só vale para os financiamentos solicitados a partir do dia 19 de janeiro. A justificativa do banco para o reajuste foi a alta da taxa básica de juros, a Selic, que está em 11,75%. Apenas as operações contratadas pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE) foram alteradas pelo reajuste. Já os imvóveis financiados pelo FGTS ou pelo programa Minha Casa, Minha Vida não sofreram interferência. A alteração nos números da Caixa tem efeito profundo no mercado, uma vez que ela lidera o segmento de financiamentos imobiliários e serve como referência para os demais bancos.

Tags:

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
17 de novembro de 2016
03 de novembro de 2016
27 de outubro de 2016
20 de outubro de 2016