Financimento

Com um FGTS na manga

O uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço pode ser um forte aliado na compra do primeiro imóvel e aliviar o aperto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 13/04/2015 10:39 / atualizado em 13/04/2015 11:14
Para muita gente a forma mais viável de adquirir um imóvel é através de um financiamento bancário, o que demanda uma intensa pesquisa sobre as vantagens ofertadas pelas empresas, as variações das taxas e a flutuação do mercado. Tudo isso, claro, consultando a própria realidade financeira, até que ponto o bolso vai suportar a nova realidade de despesas. Um dos trunfos para quem está interessado em comprar o primeiro imóvel é recorrer ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que pode oferecer aquela boa respirada na hora de dar a entrada no valor total ou amortizar os valores das parcelas do financimento.

Segundo pesquisa realizada pela Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi-PE), durante o Salão Imobiliário de Pernambuco, 53,4% dos vistantes do evento estavam dispostos a investir em imóveis com valores entre R$ 100 mil e R$ 200 mil. Desse montante, 52,4% projetam utilizar o FGTS durante a negociação. Criado em 1996, através da Lei de n° 5. 107, o FGTS é um fundo alimentado pelas empresas em nome do empregado. O trabalhador só pode retirar o valor acumulado apenas em algumas situações, como aposentadoria, demissões ou em caso de investimento imobiliário.

“Ele funciona como um grande fundo. Para quem pensa em usá-lo para o setor imobiliário, é possível retirar apenas quando for adquirir o primeiro imóvel”, explica o professor da Faculdade Guararapes, Aluísio Gondim. Atualmente, de acordo com o especialista, o fundo tem atingido anualmente o rendimento de 3%, o que torna vantajosa sua aplicação num imóvel.

De acordo com o analista financeiro Roberto Ferreira, quem ainda está no auge da atividade produtiva e busca investir na casa própria pode efetuar a retirada dos recursos do FGTS. “Nessas circunstâncias, é importante retirar 100% do valor e, junto com outras fontes de recursos, como um terreno, aplicar logo como o valor de entrada do imóvel. Depois de dois anos, é possíel realizar uma nova retirada e já amortizar o financiamento, por exemplo, ou reduzir o valor das parcelas”, explicou. O FGTS pode ser aplicado de duas formas no investimento imobiliário: como a entrada na compra do imóvel ou como amortizador das parcelas da prestação ou do financiamento como um todo.

A única restrição sobre o uso do FGTS na compra imobiliária é a questão da empregabilidade. Como serve também para uma possível reserva em condições de desemprego, o recurso pode ser utilizado de acordo com a realidade do trabalhador. “A retirada é mais vantajosa para quem é mais jovem e está no auge da vida produtiva. Quem já está próximo da aposentadoria pode repensar", explicou

Tags: casa

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
13 de fevereiro de 2017
02 de fevereiro de 2017
19 de janeiro de 2017
06 de janeiro de 2017
15 de dezembro de 2016