Economia

Mercado imobiliário diz estar blindado dos cortes do governo

Contigenciamento de R$ 69.9 bilhões atinge o programa Minha Casa, Minha Vida, mas as empresas que atuam no setor dizem que a tesourada não afeta o segmento

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/05/2015 11:14 / atualizado em 28/05/2015 11:38

Setor aposta nas faixas de negociação que não dependem do auxílio do governo  - ANNACLARICE ALMEIDA/DP/ D.A. PRESS Setor aposta nas faixas de negociação que não dependem do auxílio do governo

Em busca de equilibrar as contas, o governo federal anunciou na última sexta-feira (22) um corte de R$ 69,9 bilhões no orçamento, um dos maiores registrados nos últimos vinte anos. A medida, que busca fechar o ano de 2015 no azul e recuperar a confiança de investidores, afetou o desempenho de diversos setores do mercado, inclusive o segmento imobiliário. O programa Minha Casa, Minha Vida, uma das principais vitrines do governo petista, sofreu um subtração de recursos na faixa de 40%. Apesar da luz amarela acesa, o mercado admite que, em Pernambuco, o desempenho positivo está mantido, em especial para as faixas de negociação que não dependem do auxílio do governo.

Gustavo Pinto Coelho, sócio-executivo da Nacional Empreendimentos, reconhece que o momento exige do mercado um cuidado redobrado, sobretudo pela intensidade das reformas no âmbito fiscal. No entanto, ele adverte, a faixa voltada para os financiamentos com recursos do FGTS estão salvaguardadas de qualquer turbulência. “Este segmento está mantido. O que precisamos consolidar é a confiança no mercado”, aponta o empresário.

Para André Callou, apesar do momento marcado por indefinições, o programa continua sendo muito relevante para a geração de empregos e garantia de moradia para muito brasileiros - Nando Chiappetta/DP/D.A Press. Para André Callou, apesar do momento marcado por indefinições, o programa continua sendo muito relevante para a geração de empregos e garantia de moradia para muito brasileiros
Para Mariana Wanderley, diretora-executiva da Pernambuco Construtora, o primeiro semestre foi movimentado para a economia. Uma das saídas apontadas pela empresária é apostar na diversidade. “A forma de encarar este novo momento no Brasil é apresentar novos caminhos para o público, pensar em alternativas, treinar as equipes para indicar as possibilidades do mercado”.

Refazendo os caminhos para 2015, a Moura Dubeux também demonstra tranquilidade. De acordo com Eduardo Moura, diretor de desenvolvimento imobiliário e responsável pela Vivex, braço da Moura voltado para o Minha Casa, Minha Vida, as medidas de contigenciamento não afetarão a atuação da construtora no segmento popular. “A Vivex não atua na faixa 1 e esta sim foi a mais atingida pelo corte”, explicou.

O presidente da  Associação das Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-PE), André Callou, reconhece que o programa Minha Casa, Minha Vida é importante para o desempenho social e econômico do país, mas lembra que, em virtude das últimas alterações, o impaco foi profundo, o que preocupa o mercado. “Hoje, o setor sofre com os atrasos no repasse e uma desatualização dos valores, o que impede uma maior velocidade no andamento das obras. Mas o programa continua sendo muito relevante para a geração de empregos e garantia de moradia para muitos brasileiros”, apontou Callou.

Tags: casa,

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
13 de fevereiro de 2017
02 de fevereiro de 2017
19 de janeiro de 2017
06 de janeiro de 2017
15 de dezembro de 2016