Economia

Crise é realidade, mas bolha não

A situação financeira do Brasil atingiu negativamente o mercado imobiliário. Mas rompimento no setor não passa de especulação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 18/09/2015 09:35 / atualizado em 18/09/2015 10:32
Mesmo em crise, há quem aproveite o momento para comprar imóvel mais em conta - João Veloso/ESP. DP/D.A PRESS Mesmo em crise, há quem aproveite o momento para comprar imóvel mais em conta
A bolha imobiliária é um dos temas mais polêmicos dos últimos anos no Brasil, com direito a pitacos de economistas renomados, como o prêmio Nobel Robert Shiller, o qual alertou que a qualquer momento a bolha estouraria no país. No entanto, as últimas evidências são de que a suposta bolha estaria “desinflando sem estourar”. Em Pernambuco, por exemplo, não há evidências para um rompimento de mercado, visto que ainda há oferta e procura, mesmo que de modo mais discreto.

Segundo o presidente da Ademi-PE, André Callou, o estado não sofrerá tal prejuízo porque o mercado imobiliário ainda contribui para a economia. “Pernambuco tem sua força. Suape e Goiana atraíram muitos investimentos que mexem com a economia local”, destaca.

Por outro lado, se não há bolha, há crise. E ela atinge o setor imobiliário, já que os altos investimentos e financiamentos longos requerem apoio dos bancos, que estão limitando a liberação de créditos. O aumento da taxa Selic, que dita os juros bancários, é determinante para a desvalorização dos empreendimentos. Assim, as pessoas com limitações para comprar reduzem seus investimentos, forçando as empresas a baixarem o preço de seus produtos.

Segundo o economista e professor de cenários econômicos da Faculdade dos Guararapes, Tiago Monteiro, a desaceleração do consumo provoca o aumento da taxa básica de juros, o que reflete no setor. “A partir de 2008, vivemos uma bomba no mercado imobiliário, pois as pessoas consumiam bastante, o que ajudava na redução da taxa Selic, levando os especuladores a investirem pesado no mercado. Isso durou até 2013, quando as pessoas endividadas reduziram o consumo”, explica. O professor também ressalta a diferença de públicos com o tempo. “Antes, havia muitos especuladores investindo no setor. Hoje, os investidores deram espaço para moradores, ou seja, as pessoas não estão injetando dinheiro para lucrar, mas para morar”.

Para Callou, a crise política é o grande entrave do mercado. “Ela é pior que a econômica, pois passa mais insegurança para o comprador. Como o crescente número de desemprego, o consumidor não sabe se será o próximo ou não. Então, acaba se resguardando”, diz Callou. Por outro lado, há que esteja se beneficiando - muito bem - da crise. “Alguns estão aproveitando o momento para comprar um imóvel novo por preço mais em conta”, acrescenta.

Tags:

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
13 de fevereiro de 2017
02 de fevereiro de 2017
19 de janeiro de 2017
06 de janeiro de 2017
15 de dezembro de 2016