Cômoda sai do quarto e invade o resto do lar, funcional e decorativa

Móvel típico dos dormitórios, ela foi parar nas áreas sociais da casa com o passar dos anos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 08/01/2014 10:06 / atualizado em 08/01/2014 10:14
Modelo clássico é a aposta da decoradora Jacqueline Salomão para o canto da sala de estar - Modelo clássico é a aposta da decoradora Jacqueline Salomão para o canto da sala de estar (Jomar Bragança/Divulgação)	
Modelo clássico é a aposta da decoradora Jacqueline Salomão para o canto da sala de estar
A cômoda surgiu no fim do século 17 e, desde então, se tornou um móvel popular. De peças nobres às mais simples, seu design mudou bastante ao longo do tempo. Antes restrita aos quartos, agora ela invadiu a maioria dos ambientes, de maneira prática, funcional e decorativa. Antiga ou nova, retrô ou moderna, ela dá um toque especial na decoração, delimita espaço e é fundamental não só para guardar roupas (sua origem) como diversos objetos e documentos. Peça versátil, a cômoda aceita diversas cores, diferentes materiais e adornos variados. É perfeita para servir de apoio a objetos de design. Ou seja, é o móvel ideal para ser personalizado, basta criatividade e bom gosto.

Aliás, para a arquiteta e designer de interiores Valéria Alves, ela pode estar em qualquer lugar da casa, até no banheiro. Ela cita um projeto que fez em um banheiro em que a cômoda se encaixou debaixo da bancada colorida e utilizada para guardar toalhas, maquiagem e produtos de higiene. Ela afirma que outra maneira é investir numa minicômoda e acomodá-la, dependendo do espaço, entre o bidê e a bacia sanitária. Mas a decoradora lembra que, pela umidade do ambiente, é preciso escolher uma tinta esmalte, resistente ao vapor. De acordo com ela não terá problema, mas é bom que não lave o banheiro jogando água. Se fizer, enxugue imediatamente. O ideal é jogar água no box e passar pano úmido no restante.

Valéria chama a atenção para o uso adaptado da cômodam, onde pode ser até um bar. O importante é saber valorizar o móvel e se quiser reformá-lo pode ser com tecido, contact (não tem acabamento bonito, por isso, é melhor para o banheiro), stencil, adesivo e tintas coloridas. Ela diz que uma tintura envelhecida fica superbacana. Não é pátina, apesar de ter o mesmo conceito. A ideia é como se o móvel estivesse mal pintadom, porém o efeito bonito.

Cômoda Bombê, que surgiu no fim do século 17, na França, tem estilo clássico, imperial, e se destaca pelos puxadores e apliques - Cômoda Bombê, que surgiu no fim do século 17, na França, tem estilo clássico, imperial, e se destaca pelos puxadores e apliques (Lider Interiores/Divulgação)	
Cômoda Bombê, que surgiu no fim do século 17, na França, tem estilo clássico, imperial, e se destaca pelos puxadores e apliques
A arquiteta recomenda também as peças vintage. Agora, não confundam. Vintage é tudo que é bem antigo, originalmente velho. E retrô o que é produzido hoje, mas faz referência ao passado. Os modelos vintages combinam com tudo e, em espaços modernos, vão desconstruir. Ela pontua ser perfeito, já que tudo certinho está em baixa. O descombinado é o que dá personalidade. Para Valéria, mesmo numa decoração minimalista, a cômoda tem espaço garantido. Ainda que o menos seja mais, a intenção do minimalista é manter um cômodo com o mínimo de móveis e acessórios decorativos, mas com visual poderoso, peças de qualidade e de impacto. E no mercado há oferta de cômodas parecidas com obras de arte, chamativas, que vão fazer a diferença. Dos modelos de linhas retas a minicômodas charmosas e com poucos detalhes que agradam a vários perfis.

BUFÊS E ARCAS

A decoradora Jacqueline Salomão lembra que a cômoda sumiu por uns tempos e voltou no estilo de bufês e arcas. Ela afirma que o bacana é que saiu do quarto, ocupou novos espaços e é peça de destaque na sala, no canto do sofá, como mesa lateral e, independentemente do seu uso, vai valorizar o ambiente. E, se não quiser uma moderna, vale garimpar em antiquários e ir à caça de peças vintage incríveis. Aliás, mesmo se não for tão bacana, é possível alterá-la, seja com puxadores arrojados ou laqueá-la de uma cor forte para sobressair. Se for usá-la como bar, recomendo uma bandeja espelhada, que fará toda a diferença.

Jacqueline assegura que, para montar um ambiente forte e que salta aos olhos, é importante ter liberdade de estilo e ousadia para misturar. A decoração não pode ser engessada. É preciso, sim, manter o equilíbrio e a harmonia. E lembre-se: proporção é fundamental.
No prático projeto da arquiteta e designer de interiores Valéria Alves, a cômoda no quarto do casal assume papel duplo: também é móvel para a TV - No prático projeto da arquiteta e designer de interiores Valéria Alves, a cômoda no quarto do casal assume papel duplo: também é móvel para a TV (Elmo Alves/Divulgação )	
No prático projeto da arquiteta e designer de interiores Valéria Alves, a cômoda no quarto do casal assume papel duplo: também é móvel para a TV

Conheça os tipos:

- Estilo Luís XV: é a cômoda mais comum, com dois puxadores.

- Estilo Luís XVI: tem uma gaveta profunda e estreita em cima e duas mais abaixo com a mesma profundidade, porém mais estreitas. Os pés são estilizados no chamado estilo à grega.

- Estilo Queen Ann, século 18: é caracterizada por reduzir o tamanho das gavetas conforme se aproximam da parte superior.

- Estilo vitoriano: muito popular, é a cômoda alta e com espelho.

Tags:

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
17 de outubro de 2014
26 de setembro de 2014
19 de setembro de 2014
09 de setembro de 2014
08 de setembro de 2014